Com a Enfermagem Estética, a Dra. Juliana Morais Ferreira se considera uma nova pessoa

Residente de Pouso Alegre, em Minas Gerais, a Dra. Juliana Morais Ferreira trabalhou como enfermeira por cerca de 12 anos em um hospital local, no qual percorreu quase toda a sua trajetória.  Com uma jornada de trabalho repleta de plantões, ela conta que trabalhava todas as manhãs e em todos os finais de semana. Apesar […]
estética

Residente de Pouso Alegre, em Minas Gerais, a Dra. Juliana Morais Ferreira trabalhou como enfermeira por cerca de 12 anos em um hospital local, no qual percorreu quase toda a sua trajetória. 

Com uma jornada de trabalho repleta de plantões, ela conta que trabalhava todas as manhãs e em todos os finais de semana. Apesar de todo o cansaço, foi apenas quando descobriu a segunda gestação que ela passou a repensar sua rotina de trabalho. 

Ela conta que foi difícil conciliar os dois filhos, a escola e os finais de semana. Foi aí que decidiu procurar por outra área de atuação. “Como eu sempre gostei da estética como paciente, eu pensei: será que eu não poderia estar do outro lado? Ser a profissional que vai estar lá? Trabalhando? Foi quando eu comecei essa busca pela pós-graduação e, através das indicações, conheci o Nepuga.” 

Áreas diferentes, satisfações diferentes 

A Dra. Juliana conta que, por trabalhar na UTI, a enfermagem proporcionava uma sensação de satisfação por trazer alívio da dor e dar apoio ao paciente que se encontra enfermo. 

A escolha pela especialização em Enfermagem Estética se deu por conta da vontade de continuar na área, mas de um outro âmbito, no ramo da saúde e da beleza. Isso pois, segundo ela, a beleza nada mais é do que saúde. “É um conjunto: você tem que estar bem consigo, com o corpo, com a mente e isso te dá saúde. Eu vejo a estética e a saúde desse modo.” 

Juliana mora há, aproximadamente, 240 quilômetros de distância do local em que estuda. Ela diz que não é fácil deixar os filhos e o marido em casa e que é preciso todo um planejamento, feito no dia anterior, para que possa sair e cursar sua pós. 

Mas, apesar de tudo, ela considera a recompensa bem maior que o cansaço. Afinal, além dos conhecimentos que adquiriu para sua nova carreira, Juliana leva consigo experiências que levará para toda sua vida. 

“Peguei dias de chuva… E além disso, nunca tinha dirigido sozinha em uma cidade maior, mas são esses obstáculos que nos fazem crescer.  Pra mim foi muito bom como pessoa, como profissional… Foi de um crescimento imenso alcançado em um ano.”

Uma visão do futuro

Atualmente, a Dra. está em processo de preparação do seu consultório, embora ainda não esteja atuando. 

Ela conta que, antes, ela não se via como empreendedora, porém, isso mudou após começar a cursar a pós-graduação. Aponta, ainda, que essa escolha pela Estética, além de proporcionar-lhe mais consciência e prática no autocuidado, faz com que ela se sinta mais valorizada.

“Eu acho que o fato do empreendedorismo ajuda muito, estou gostando bastante dessa parte de poder empoderar mulheres, de se sentir empoderada. Acho que essa é a palavra: empoderamento. A estética precisa de pessoas empoderadas para poder empoderar outras.”

Para os colegas enfermeiros, ela deixa um recado: “não tenham medo. Invistam em estudos, invistam em cursos. É um investimento em você. A estética mudou muito minha vida, sabe? Realmente mudou. Hoje eu me sinto uma pessoa mais empoderada, mais feliz, empreendedora. Queria poder transmitir isso para as pessoas. Me sinto uma pessoa bem diferente hoje”.  E então? Se sente mais incentivado a continuar correndo atrás de seu sonho? Conte aqui nos comentários! 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Noticias
biomedica esteta
20 de maio de 2022

Biomédica Esteta abre clínica em Guarulhos-SP

biomedica esteta
20 de maio de 2022

Biomédica Esteta transforma dor em sucesso em SP

enfermeira esteta
20 de maio de 2022

ENFERMEIRA ESTETA CONTA SOBRE SUA MUDANÇA PROFISSIONAL EM RS

farmaceutico esteta
20 de maio de 2022

Farmacêutico Esteta do RJ muda de área depois de 35 anos